Ir para o conteúdo Ir para o menu principal
O Cuidado Transforma
#ocuidadotransforma

Movimento nacional pela promoção dos cuidados com crianças e prevenção dos maus-tratos infantis

Quem abraça esta causa

Cuidar das nossas crianças é responsabilidade de todos: empresas, governo e cidadãos. Conheça quem já apoia ativamente o movimento #ocuidadotransforma.

O movimento

Todos os anos mais de um bilhão de crianças sofrem algum tipo de violência*

Seja abuso físico, psicológico, sexual ou negligência, é fato que no Brasil foram registradas 76.216 denúncias de violações contra menores em 2018** - e essas são apenas as que foram de fato notificadas, já que falar sobre maus-tratos ainda é considerado um enorme tabu.

Diariamente, muitas das nossas crianças sofrem maus-tratos de toda ordem - segundo publicação recente da OMS no mundo todo um bilhão de crianças estão sujeitas a sofrer alguma violência. E isso com frequência acontece dentro da sua própria casa e parte de pessoas que deveriam ser seus protetores e por isso, recebem toda a sua confiança.

Por isso é que o ChildFund Brasil quer chamar a atenção de todos para esses dados alarmantes, que além de comprometerem o desenvolvimento das nossas crianças ainda condenam o futuro do Brasil.

Ajude-nos a mudar essa realidade. É dever de toda sociedade e de cada cidadão brasileiro zelar pela proteção de nossas crianças, provendo segurança e cuidados de acordo com cada fase de seu crescimento, assim como recursos e informações básicas para que seu desenvolvimento seja saudável. Se você acredita que a violência contra crianças pode ser prevenida, venha conosco!

* World Health Organization (2017). INSPIRE. Seven strategies to end violence against children. Washington D.C: OMS

** Dado fornecido pelo Disque 100

Alguns números dos maus-tratos no Brasil:
11mil/ano

De acordo com a Unicef este é o número absoluto de execuções de menores de idade no Brasil - maior do que se comparado com índices de países em guerra, como a Síria.*

76.216 denúncias

Em 2018 foram feitas 76.216 denúncias de violações contra crianças e adolescentes.***

35.783

De acordo com o Atlas da Violência, 35.783 pessoas entre 15 e 29 anos perderam a vida em 2017.**

De 2011 a 2018 foram 744.923

as denúncias de violações contra crianças e adolescentes. ***

* Dados extraídos do relatório da Unicef “30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança Avanços e desafios para meninas e meninos no Brasil”

** Atlas da Violência, 2019

*** Dados fornecidos pelo Disque 100

Junte-se ao movimento #ocuidadotransforma

O ChildFund Brasil mantém programas e projetos sociais de apoio direto à crianças, adolescentes, jovens, suas famílias e comunidades, atuando em políticas públicas de proteção à criança.

Para nos ajudar a continuar mudando a realidade de tantos, apadrinhe uma das nossas crianças. Se for do seu desejo, poderá manter contato com seu “afilhado” através de correspondências e até o encontrar pessoalmente. Saiba mais!

Quero Apadrinhar
Faça a diferença na prevenção contra os maus-tratos

O ChildFund Brasil acredita que prevenir é a forma mais eficiente de acabar com os maus-tratos. E atualmente o Brasil não possui nenhuma legislação de prevenção à violência contra crianças, apenas soluções para quando os atos já aconteceram.

Vamos juntos mudar essa história? Assine a petição que demanda a criação de uma lei nacional com diretrizes sobre a prevenção dos maus-tratos infantis. Só assim teremos o poder de evitar que novos casos de violência infantil provoquem impactos profundos e permanente na vida de tantas crianças.

Contamos com você.
Juntos somos ainda mais fortes!

Assinar Petição
ChildFund no Brasil
53 anos de experiência
127 mil pessoas beneficiadas
29 mi de investimento em 2018
45 ONGs parceiras
ChildFund no Brasil

O ChildFund Brasil é uma agência de desenvolvimento internacional, atuando no país há 53 anos.

Fomos eleitos em 2019 pelo 3o ano consecutivo como a melhor ONG para se doar e pelo 2o ano como a melhor ONG para se doar na categoria Crianças e Adolescentes, em premiação realizada pelo Instituto Doar.

Somos uma instituição que mais do que apenas ajudar, transforma vidas. Através das doações recebidas, oferecemos formas de viver com mais segurança, conforto e oportunidades.

Conheça
Cartilha dos bons tratos

90% das crianças acreditam que a coisa mais importante que os adultos podem fazer para acabar com a violência é amar mais as crianças e ouvir o que elas têm a dizer. Isso foi apontado na pesquisa (Small Voices Big Dreams) realizada com mais de 700 crianças pelo ChildFund Brasil em 2019.

As crianças estão certas. Tratá-las bem é o caminho para um futuro melhor e uma sociedade mais justa. Para saber mais sobre os bons tratos e como eles devem estar presentes na vida das crianças desde o seu nascimento, criamos a Cartilha dos Bons Tratos.

#ocuidadotransforma

Preencha os dados, baixe a
cartilha, leia e compartilhe! :)

Você sabe reconhecer maus-tratos?

Conheça a situação das crianças abaixo e analise as chances de sofrerem ou não algum tipo de abuso.

Você vai descobrir que nem tudo é o que parece.

Pedrinho / 3 anos

Mora Florianópolis, SC. Possui 2 irmãos mais velhos e seus pais trabalham em cargos públicos de grande destaque no poder judiciário. A família viaja 2 vezes por ano para o exterior e mora em um condomínio fechado em uma praia de elite famosa.

Pedrinho sofre maus-tratos?

Sim

Pedrinho só encontra seus pais raramente nos fins de semana. Durante a semana passa os dias com a babá, que frequentemente deixa a criança sem supervisão, já que além de cuidar dele, precisa manter a casa limpa e em ordem. Os irmãos são mais velhos e organizam brincadeiras sozinhos, já que o irmão mais novo ainda “não sabe brincar”. Os pais, quando estão em casa, estão trabalhando ou fora de casa, pois possuem uma vida social agitada que não inclui os filhos.

Próxima pergunta
Joãozinho / 7 anos

Joãozinho mora com os pais e mais 3 irmãos em uma casa de 50m² na periferia de Salvador, BA. Sua mãe trabalha como diarista e seu pai é motorista de ônibus na empresa que faz as linhas dentro da cidade. Nos fins de semana, seu pai também faz bicos de pintor, quando surge alguma obra. Joãozinho estuda em uma escola municipal próxima à sua casa, que também é frequentada por seus irmãos.

Joãzinho sofre maus-tratos?

Não

Apesar de seus pais trabalharem bastante para garantirem o conforto e a segurança da família, Joãozinho tem uma vida muito saudável em família. Seus pais acompanham de perto a educação das crianças e sempre fazem as refeições junto com os filhos, onde estimulam as conversas e descobrem como está a rotina de cada um.

Joãozinho adora os fins de semana porque é quando o pai consegue passar mais tempo com ele e ensinar brincadeiras super legais. E durante a semana, Joãozinho passa as tardes na casa da vizinha, que assumiu o compromisso de tomar conta do garoto enquanto ele brinca com seu filho, já que os dois são amiguinhos.

Próxima pergunta
Juninho / 10 anos

Juninho é o filho mais velho e mora com a mãe num bairro de classe baixa no interior do Paraná. O pai saiu de casa quando a criança era pequena e hoje a pequena família mora numa pequena casa alugada nos fundos de um sobrado. Joana, a mãe, trabalha como diarista numa casa de família no centro da cidade e o irmão de Juninho, filho de outro pai que também abandonou a família, tem 3 anos.

Juninho sofre maus-tratos?

Sim

A mãe de Juninho passa a semana toda trabalhando fora e não tem condições de pagar alguém para cuidar do filho mais novo. Por essa razão, Juninho não vai pra escola pra ficar cuidando do irmão e é sua tarefa fazer todo o trabalho doméstico da casa: desde a limpeza até as refeições. Com frequência, a mãe não consegue voltar pra casa no fim do dia, e Juninho passa a noite sozinho na casa com o irmão. Quando perguntado, Juninho diz que se considera uma criança feliz, mas que gostaria de poder ir pra escola e não ter tantas responsabilidades.

Próxima pergunta
Fabiane / 16 anos

Fabí, como é chamada pela família e amigos, adora dança e mora em Recife, Pernambuco. Seu sonho é entrar para uma companhia e poder rodar o mundo se apresentando e fazendo o que mais ama. Porém, para ter chance de conseguir uma bolsa de estudos, ela se esforça no colégio para estar sempre entre as melhores da classe. E durante a tarde, dá aula de dança para crianças de 4 anos no jardim de infância próximo a sua casa.

Fabiane sofre maus-tratos?

Sim

Sua mãe tem problemas de depressão e alcoolismo e desde que Fabi era muito pequena, dava surras na criança e aprontava brigas com tantos gritos e objetos sendo atirados, que fizeram os vizinhos acionarem a polícia mais de uma vez. Seu pai é caminhoneiro e passa poucos períodos em casa, mas sempre que está o clima é tenso, já que existe muita instabilidade e ciúme na relação entre os pais. Por isso Fabi se esforça tanto na escola, para assim que completar a maioridade e sair de casa, poder partir em busca de seus sonhos.

Próxima pergunta
Manuela / 12 anos

Manu é uma menina alegre e animada, que mora num bairro de classe média em Fortaleza, Ceará. 3a de uma família de 4 irmãos, gosta de brincar de boneca e ver vídeos no Youtube. Seu pai trabalha como contador numa multinacional e sua mãe largou a carreira na enfermagem após a chegada do 2o filho. Atualmente, todos já estão em idade escolar e estudam em escolas públicas perto de casa.

Manuela sofre maus-tratos?

Não

Ela tem uma vida muito saudável com muitos amiguinhos na escola e em casa tem um ambiente harmonioso e feliz.Possui uma boa relação com os pais e os irmãos, com quem gosta de brincar de videogame e bola. Os pais estão sempre atentos à educação e estímulos para que todos os filhos cresçam saudáveis e se tornem adultos responsáveis. Nos fins de semana, sempre fazem programas divertidos, como passeios de bicicleta, praia, cinema ou visitas a casas de parentes.

Próxima pergunta
Cauê / 8 meses

Cauê é filho de mãe solteira e muito jovem: Júlia tinha apenas 14 anos quando engravidou. Tentou manter o relacionamento com o pai da criança, porém logo após seu nascimento, o namoro acabou. Cauê mora agora com Julia e seus pais, num bairro de classe baixa do Rio de Janeiro. Os avós trabalham como professores e não deixaram que Julia largasse a escola após o nascimento de Cauê.

Cauê sofre maus-tratos?

Não

Cauê é muito amado por todos: seus pais e avós, maternos e paternos. Apesar de não encontrar o pai todos os dias, pelo menos nos fins de semana ele visita e passa algum tempo cuidando do bebê. A mãe está sempre próxima da criança e há 2 meses voltou às aulas. No tempo que está fora, a avó paterna fica responsável pelo bebê e o mima com muito amor, carinho e atividades para estimular seu crescimento. Claro que as famílias tem suas divergências, mas todos concordam em fazer o máximo para o pequeno Cauê crescer saudável e ter um futuro feliz.

Ver resultado
Você acertou x/6

Os maus-tratos acontecem com muita frequência e talvez você não esteja atento o suficiente ou não reconheça os sinais. Baixe nossa Cartilha de Bons Tratos e saiba tudo sobre uma educação sadia e o que fazer quando os maus-tratos acontecem. Acesse também o site do ChildFund Brasil e descubra como você pode ajudar a mudar essa realidade apadrinhando uma criança.

Você já sabe que os maus-tratos acontecem com frequência e que nem tudo é sempre como parece. Para conhecer mais sobre essa dura realidade que tantas crianças enfrentam diariamente, baixe nossa Cartilha de Bons Tratos e entenda mais sobre o assunto. Acesse também o site do ChildFund Brasil e descubra como você pode ajudar a transformar uma vida apadrinhando uma criança.

Parabéns! Você está consciente de que os maus-tratos podem acontecer a qualquer momento, a qualquer criança. Conheça mais sobre o assunto baixando nossa Cartilha dos Bons Tratos e acesse o site do ChildFund Brasil para descobrir como você pode ajudar a transformar uma vida apadrinhando uma criança.